You are currently browsing the category archive for the ‘Yogásanas’ category.

Significado do nome:

Virabhadra: Nome de um guerreiro; Postura do Guerreiro Virabhadra;

 

Essa postura foi assim chamada por causa de um guerreiro chamado Virabadra, cuja história é contada no épico Kumarasambhava. Uma pratica regular desse ásana ajuda a desenvolver força e resistência. As etapas da postura exercitam os membros e o tronco vigorosamente, reduzindo a rigidez do pescoço e dos ombros. E também torna os joelhos e articulações do quadril mais flexíveis.

CONFIRA A LENDA CONTADA PELO MESTRE IYENGAR

Certa feita, Daksha celebrou um sacrifício, mas não convidou sua filha Sati nem seu marido Shiva, chefe dos deuses. Sati, porém, foi ao sacrifício, mas tendo sido humilhada e insultada, lançou-se ao fogo e morreu. Quando Shiva soube do fato, sentiu-se profundamente ultrajado, arrancou um fio de cabelo de um de seus cachos e lançou-o no chão. Surgiu um poderoso herói chamado Virabhadra, que ficou esperando suas ordens. Ele foi incubido de liderar o exercito de Shiva contra Daksha e destruir seu sacrifício. Virabhadra e seu exercito apareceram em meio à reunião de Daksha como um furacão e destruíram seu sacrifício, afugentaram os outros deuses, sacerdotes e decapitaram Daksha. Shiva, condoído por Sati, retirou-se para Kailas e mergulhou em meditação. Sati renasceu como Uma, na casa de Himalaia. Ela procurou conquistar novamente o coração de Shiva e conseguiu. A história e contada por Kalidasa em seu grande poema “Kumara sambhava” (“O nascimento do Condestável”). Este ásana é dedicada ao poderoso herói criado por Shiva com o fio de seu cabelo.

 

TÉCNICA – IYENGAR

 

  1. Coloque-se em tadasana.
  2. Erga os braços acima da cabeça. Estique-se e junte as palmas das mãos.
  3.  Inspire profundamente e, com um salto (ou dê um passo grande para trás), afaste as pernas a 1,50 metros ou mais, se possível.
  4.  Expire lentamente, gire o pé direito 90 graus para o lado direito e o pé esquerdo levemente para a direita, flexione a perna direita à altura do joelho até que a coxa e a perna fiquem em ângulo reto e a coxa direita paralela ao chão. O joelho dobrado não deve se estender além do tornozelo, mas ficar na mesma linha do calcanhar.
  5. estenda a perna esquerda e firme o joelho.
  6. o rosto, o tórax e o joelho direito devem estar alinhados com o pé direito. Erga a cabeça, estique a coluna do cóccix a cabeça e olhe para as palmas unidas acima da cabeça.
  7. mantenha a posição por 20 ou 30 segundos respirando normalmente.
  8. repita para o lado esquerdo.
  9. expire e salte de volta à tadasana.

 

Obs.: Todas as posições de pé são forçadas, em particular esta. Não devem ser tentadas por pessoas de coração fraco. Mesmo as pessoas medianamente fortes não devem ficar muito tempo nesse asana.

DICAS PARA AUMENTAR A CONSCIÊNCIA DENTRO DA POSTURA

–  Afaste os ombros e as escápulas, uma da outra. Inspire e sinta a expansão da caixa torácica.

– Ative uddhyana bandha.

– Para aumentar a concentração, fixe o olhar nos polegares unidos.

 

FOCO ANATÔMICO

Pernas, quadril, parte superior do peito/costas.

 

BENEFÍCIOS

– Melhora a capacidade respiratória pela expansão do tórax;

– Ajuda no tratamento de desvios de discos;

– Reduz a gordura em torno do quadril;

– Alivia as dores na região lombar;

– Desenvolve flexibilidade dos quadris e cria estabilidade pélvica.

– Tonifica órgãos abdominais.

– Aumenta o vigor geral do corpo.

– Desenvolve força, resistência, habilidade, equilíbrio, agilidade e robustez.

– Melhora a artrite dos ombros e da lombar.

– Fortalece as pernas, principalmente tornozelos e coxas.

– Fortalece os ombros, braços e costas.

 

APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS

– Ciática;

– Lombalgia;

 

VARIAÇÕES

A posição das mãos e/ou dos braços podem variar, de acordo com cada caso. Em geral, a postura completa ajuda a flexibilidade dos ombros e braços, mas pessoas com enrijecimento dessas áreas pode sentir dificuldade em fazer a postura completa, sendo viável, então, as variações.

 

CONTRA-INDICAÇÕES E CUIDADOS

Não indicado para cardíacos, hipertensos, portadores de palpitações, cardialgia, diarréia ou disenteria.

Mulheres com menorragia e metrorragia também devem evitar esse ásana.

Praticantes com problemas no pescoço devem manter a cabeça alinhada com a coluna.

Pessoas muito obesas.

 

TRABALHO MENTAL E ENERGÉTICO

– Trabalha a coragem, a auto-estima, sendo ideal para pessoas tímidas e introvertidas.

– Aumenta a agilidade mental.

– Ensina a encarar a vida de frente, comum coração aberto e honesto.

– Energização do Múladhara Chakra e do Anáhata.virabadrasana-1-2web

Significado do nome:
Tala ou Thala: Palmeira; Postura da Palmeira

TÉCNICA
De Tadásana, faça uma inspiração ao mesmo tempo em que eleva os braços lateralmente, também subindo na ponta dos pés. Talásana configura uma posição de equilíbrio.
A versão em que não se sobe na ponta dos pés é chamado urdhva hastasana, a postura das mãos para cima, a posição deixa de ser de equilíbrio.
Em ambos os casos podem-se tanto fazer a permanência como manter a posição somente com um kumbhaka com os pulmões devidamente cheios. Neste último caso, ao manter a retenção do ar, procure contrair o esfíncter do ânus e as nádegas, o que aumenta o foco na energização do Múládhára Chakra.

FOCO ANATÔMICO
Talásana:
– Tornozelos, pés, panturrilhas, braços, axilas, ombros e barriga.
Urdhva Hastasana:
– Ombros, axilas, braços e barriga;

BENEFÍCIOS
– Aumento da capacidade respiratória;
– Fortalecimento de pés, tornozelos e pernas;
– Alongamento total do corpo em Talásana, ajuda o relaxamento;
– Urdhva Hastásana prioriza o alongamento da coluna dorsal;

APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS
– Fatiga;
– Asma;
– Indigestão;
– Melhora o estado psicossomático;
– Alivia ansiedade leve;
– Talásana, por trabalhar o equilíbrio, pode ser indicada para labirintite;

POSTURAS PREPARATÓRIAS
– Pavana Muktásana;
– Tadásana;
– Urdhva Hastásana;
– Uttanásana;

ACESSÓRIOS E PROPS
Mantenha o equilíbrio na ponta dos pés e adicione um bloco entre as mãos no alto da cabeça, aumentando o trabalho dos braços (maior ativação do Anáhata Chakra);

CONTRA-INDICAÇÕES E CUIDADOS
– Evite ficar com os braços levantados em casos de lesões nos ombros ou pescoço.
– Varizes avançadas;

TRABALHO MENTAL E ENERGÉTICO
Induz a pessoa ao seu próprio conhecimento interno;
Acaba com a timidez;
Em Talásana, soma-se o equilíbrio psicossomático;
Ativa Múládhára Chakra e Anáhata; energização do Múládhára Chakra e, ao elevar os braços, do Anáhata Chakra, porém o foco está no primeiro. Pode-se acrescentar a contração do esfíncter anal, enfatizando a energização do primeiro chakra.

talasana

3a-Utthita-Trikonasana

Utthita significa estendido, esticado. Trikona é um triângulo. Este ásana de pé é o triângulo estendido, uma das posturas básicas para se fazer em pé.

Modo de fazer:

  1. Inicie em Tadásana.
  2. inspirando, abra as pernas, afastando-as cerca de 1 a 1,50 metro. Erga os braços até a altura dos ombros, com as palmas viradas para baixo, paralelos ao chão.
  3. gire o pé direito 90° para a direita. Gire o pé esquerdo levemente para a direita, mantendo a perna esquerda contraída na parte de dentro e no joelho.
  4. expire, vire o tronco para a direita e apóie a mão no chão, procurando formar um ângulo reto em relação ao braço. O ideal é que a mão direita pouse completamente no chão.
  5. estique o braço esquerdo para cima, alinhando-o com o ombro direito, e estenda o tronco. A parte posterior das pernas, o tórax e as cadeiras devem estar alinhados. Olhe para o polegar da mão esquerda que está esticada. Firme o joelho direito, contraindo a rótula, e mantenha o joelho direito alinhado com os artelhos.
  6. fique nesta posição de 30 a 60 segundos, respirando profunda e regularmente. A seguir, erga a palda direita do chão. Inspire e retorne a posição de n.º 2.
  7. gire o pé esquerdo 90° para a esquerda, gire o pé esquerdo levemente para a esquerda, mantenha ambos os joelhos firmes e continue, da posição 2 à posição 6, revertendo todo o processo. Inspire e volte a posição 2. mantenha a postura durante o mesmo tempo para o lado esquerdo.
  8. expire e salte, voltando à Tadásana

CHECANDO O ALINHAMENTO

Eleve os arcos dos pés, mantendo os dedos ativos.

O pé de trás fica num ângulo de 90 a 65 graus em relação ao pé da frente.

Mantenha as pernas ativas, colocando mais peso na perna de trás.

Sinta as espirais ascendentes da energia, desde os arcos dos pés até as virilhas, em ambas as pernas.

Perceba a rotação externa da crista ilíaca de cima.

Rotacione a parte interna da coxa para fora, para não forçar o joelho.

Mantenha o cóccix apontando para o calcanhar do pé de trás.

Faça uddiyana bandha e respire, expandindo lateralmente as costelas.

Mantenha espaço entre os ombros e a base do pescoço.

Gire os ombros para trás, em direção às escápulas.

Sinta o espaço entre os ombros e o pescoço.

Perceba se existe espaço entre as cristas ilíacas e as axilas, especialmente no flanco que fica para baixo.

Para girar corretamente e com segurança o pescoço, faça isto:

a) com a cabeça em posição vertical, estenda bem a pele da nuca;

b) traga o queixo levemente em direção ao esterno;

c) rotacione o pescoço, mantendo o alinhamento das vertebras cervicais com o resto da coluna. Isso vale igualmente para todas as torções.

Tome consciência da circulação da energia vital, desde as plantas dos pés até o alto da cabeça.

EFEITOS:

Este ásana tonifica os músculos das pernas, elimina a rigidez das pernas e quadris, corrige quaisquer deformidades menores das pernas e permite que elas se desenvolvam corretamente. Alivia dores nas costas e torcicolos, reforça os tornozelos e desenvolve o tórax.

YOGATERAPIA

a)     Trabalho Físico

Ação articular: semiabdução dos braços; extensão dos cotovelos e punhos; flexão do quadril; extensão fixa dos joelhos; rotação ligeira da coluna cervical, torácica e lombar;

Ação muscular: pernas e coxas – quadríceps, adutores, ísquios femorais, glúteo médio e pequeno, tensor da fáscia-lata. Tronco – grande peitoral, iliopsoas, reto abdominal, grande dorsal, quadrado dos lombos. Braços – tríceps, radiais, extensores dos dedos. Pescoço – esterno cleido-mastóideo. Espáduas – deltóide anterior e médio.

Órgãos: baço, fígado, rins, pulmões, coração, glândulas tireóides.

b)     Trabalho terapêutico

Melhora a respiração pela abertura torácica. Beneficia muito o fígado pela compressão e descompressão deste órgão. Previne algumas deformações da coluna como lordose, cifose e escoliose, sendo uma terapia de apoio nestes casos. Acalma o sistema nervoso. Indicado para casos de taquicardia. Ativa os movimentos peristálticos do intestino, acabando com a prisão de ventre. Acalma as dores da região lombar. Aconselhado para hipertensos.

c)      Contra-indicações

Deformações da coluna como a lordose muito pronunciada. Hérnia de disco, problemas articulares como artrose do quadril e artrite.

Obs.: no caso de escoliose acentuada, executar a postura somente do lado oposto à curvatura. Em casos mais suaves, trabalhar assimétricamente, isto é, na proporção de duas vezes para o lado oposto à curvatura e uma vez para o lado da escoliose.

d)     Trabalho estético: afina a cintura e fortalece a musculatura das pernas. Elimina a gordura e a celulite nos quadris.

PSICOLOGIA DE TADÁSANA

Este exercício representa a trindade (trimurti) hindu: Brahma, Vishnu e Mahadeva (Shiva). Por sua vez, estes três deuses simbolizam o aspecto tripartito da existência: evolução, manutenção e dissolução. Trikonasana simboliza a estrutura da existência material: o ciclo de nascimento, vida e morte, e os poderes de criação, manutenção e destruição da vida. Esses são os três lados do triângulo. O exercício representa igualmente as três forças que trabalham no nossa existência: jati, a herança cultural, a vida que estamos vivendo agora e o karma potencial que as nossas ações presentes estão gerando.

Na prática de asana, na medida em que a consciência se expande, aprendemos a identificar os momentos em que começamos a sair do estado de equilíbrio, e assim adquirimos a qualidade de corrigir o rumo antes que o desequilíbrio se manifeste. O mesmo vale para a vida.

TERAPÊUTICA

Indicado nos casos de estresse, ciática, ansiedade, osteoporose, alivia sintomas da menopausa e dores nas costas especialmente no segundo trimestre de gravidez, ajuda na infertilidade, pés planos, dores no pescoço.

CUIDADOS

A pratica de utthita trikonásana requer cuidados quando o praticante está com diarréia ou dores de cabeça. Para os cardíacos, a prática deve ser feita contra uma parede, preferencialmente variando a posição do braço estendido, que deve ficar dobrado, com a mão na cintura. Hipertensos devem manter o olhar para o pé, a cabeça para o lado contrário em que figura a postura. Nos casos de quaisquer problemas no pescoço, manter a cabeça para frente, alinhada com o pescoço.

INDICAÇÕES TÂNTRICAS

A postura Utthita Trikonasana é indicada, no Dakshina Tantra, para o trabalho de desenvolvimento da lateralidade (esquerda e direita), buscando o equilíbrio das características femininas e masculinas da personalidade. Energiza o Muladhara chacra e o Svadhisthana chacra. Com o Muladhara corretamente energizado, a pessoa apresenta um sentido prático da vida, senso de administração, pés no chão, idéias fecundas e bem definidas, bom discernimento espiritual, facilidade de falar, habilidade e organização. Este chacra energiza os membros inferiores e a musculatura do diafragma pélvico, músculos enervados pelo plexo sacral.

O Svadhisthana relaciona-se às características de valor, coragem, segurança, energia vital e consciência do mundo. Abrange toda a estrutura do baixo ventre e da cintura pélvica (órgãos genitais, aparelho urinário e ampola retal). No campo somático, energiza quase todos os músculos da bacia, pois este chakra é responsável pela revitalização do plexo lombar. Também atua na falta de flexibilidade ou flacidez dos músculos adutores e flexores das coxas.

Para os que possuem o Svadhisthana hiperenergizado, a postura combate personalidade agressiva, tendência à autodestruição e comportamento possessivo. No caso de hipoenergizacão deste chacra, ajuda nas disfunções do aparelho urinário, nos distúrbios das funções vegetativas, hormonais ou imunológicas.

Em termos da sexualidade, combate o erotismo excessivo e fantasioso. No plano amoroso, atua contra o impulso sexual dos que querem exercer um domínio efetivo sobre o ser amado.

Veja uma vídeo-aula de como fazer o Trikonásana, mas leve em consideração tudo o que falamos até aqui também!

tadasanaSignificado do nome:

Sama = igual, simétrico; sthitih = ficar firmemente ereto; “postura simétrica e estável”. (chamada assim na tradição de Krishnamacharya e seus discípulos.

Tada = montanha; Postura da Montanha. (chamada assim na tradição de)

Samasana = Postura Equânime. (chamada assim na tradição de Kuvalayananda)

Tadásana é comumente praticado como preparatório para as posturas em pé. Nesta postura buscamos a firmeza e estabilidade da montanha. Tadasana nos ensina a arte de parar corretamente e aumenta nossa consciência sobre o nosso corpo. Ao praticá-la, aprende-se a ficar em pé corretamente, distribuindo todo o peso harmoniosamente, sem colocá-lo, por exemplo, somente nos calcanhares, em uma das pernas ou nas bordas internas ou externas dos pés. Com isso, o corpo fica mais leve para que a mente seja capaz de atingir agilidade, firmeza e quietude. É a peça fundamental para outros ásanas. A prática dessa posição dá origem a um sentido de firmeza, força, estabilidade e equilíbrio. Para algumas tradições milenares, ela faz a ligação entre a terra e o céu.

TÉCNICA

De pé, com os pés paralelos e afastados um do outro na distância do quadril. Eleve os dedos dos pés do chão, pressionando os quatro cantos das solas dos pés uniformemente contra o solo. Sinta a ativação das pernas, elevando as patelas e contraindo as coxas, percebendo o os músculos abraçando os ossos. Mantendo a ativação das pernas, volte a colocar os dedos dos pés no chão. Encaixe o quadril, ative uddhyana bandha e perceba como a firmeza do baixo abdômen alivia a curvatura da lombar, através da criação de mais espaço entre as vértebras lombares, enquanto o sacro aponta para baixo. Alongue bem a coluna e relaxe os ombros, afastando-os das orelhas, criando espaço na porção superior das escápulas.  Sinta como a largura entre os ombros se expande, dando maior espaço para a expansão dos pulmões. Ative os braços, alongue e junte os dedos das mãos, apontando-os para baixo. Alinhe o pescoço com o resto da coluna, trazendo o queixo em direção ao chão, fazendo uma leve jalandhara bandha. Sinta o efeito da gravidade enraizando os pés no solo, ao mesmo tempo, sinta que uma força igual e contrária vem da terra e alonga o corpo em direção ao céu. Respire ao longo deste espaço criado através do alongamento do corpo na postura, sentindo a presença do eixo energético terra-céu.

BENEFÍCIOS:

– Corrige más posturas pelo alinhamento da coluna;

– Melhora o alinhamento do corpo e o tônus postural;

– Aumenta o espaço entre as articulações, agindo contra os efeitos degenerativos do envelhecimento da coluna, pernas e pés;

– Tonifica os músculos das coxas, nádegas, tornozelos;

– Melhora a consciência corporal;

– Cria espaço na cavidade abdominal e torácica, contribuindo para a saúde digestiva e também aumentando a capacidade pulmonar;

TRABALHO MENTAL E ENERGÉTICO

A quietude da montanha ativa o observador interno, sendo a postura ideal para trabalhar a presença interna. Através das qualidades de clareza, discernimento e sabedoria, que emanam do sexto chakra em equilíbrio, a vida passa a ser vivida a partir de um novo ponto de vista fundamentado na estabilidade, força e suavidade da montanha. Com a contração do ânus, energiza-se ainda mais eficientemente o Múládhára Chakra, conferindo estabilidade e enraizamento. Psicologicamente, a verticalidade nesta postura está vinculada com a projeção para o alto, o crescimento, a elevação, o despertar da espiritualidade. Podemos afirmar que o ser humano somente se completa como humano ao assumir sua postura ideal. Um queixo projetado para frente nesta postura pode indicar uma certa tendência da pessoa a ficar voltada somente para o mundo material, ou para o exterior. A coluna é como o subconsciente, de forma que a falta de alinhamento das costas pode indicar falta de contato com os conteúdos subconscientes.

FOCO ANATÔMICO

Coxas e quadril (contração consciente);

APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS

Ciática;

Pé chato;

Correção de postura;

CONTRA-INDICAÇÕES OU CUIDADOS

Cefaléia;

Pressão baixa;

Insônia;

Dor nas pernas, quadris, ombros;

Em casos de lordose e cifose em alto grau, trabalhar o alinhamento contra uma parede;

PROPS E ADEREÇOS

– Verifique seu alinhamento ficando em pé contra uma parede. Encoste os calcanhares, quadril, escápulas na parede. Cuide para sua cabeça não encostar na parede.

– Ative a rotação interna das coxas colocando um bloco entre as pernas; perceba se terá que aumentar mais a distância entre os dois pés.

VARIAÇÕES

– Com os braços estendidos como em crucifixo, amplia-se a capacidade respiratória ao trabalhar a inspiração simultânea ao movimento;

– Com os braços acima da cabeça, idem;

– Ao entrelaçar os dedos e alongar os braços para cima, além de ampliar a capacidade respiratória, soma-se o alongamento da coluna vertebral.
POSTURAS PREPARATÓRIAS

– Pavana Muktásana;

– Adho Mukha Svanasana

– Uttanásana

APROFUNDANDO A POSTURA

– Trabalhe seu equilíbrio em Tadásana fechando seus olhos durante a execução da postura;

– Trabalhe seu equilíbrio ficando na ponta dos pés;

– Acrescente vinyasa: de tadásana inspire e simultaneamente eleve os braços pela lateral do tronco até o alto da cabeça, mantendo as palmas das mãos uma virada para a outra, e também eleve-se na ponta dos pés. Exale e retorne a tadásana.

– Para aumentar o trabalho muscular e a ativação das pernas, coloque um bloco no meio das pernas durante a execução deste vinyasa.

Pratique Yoga!

O Tridente de Shiva, chamado em sânscrito como Trishula, é a arma de Shiva com a qual Ele destrói a ignorância dos seres humanos. As três pontas representam as três qualidades (Gunas) da matéria: Inércia (Tamas), Movimento (Rajas) e Equilíbrio (Sattva). A busca do praticante começa em buscar Sattva e termina quando transcende todas as qualidades da matéria, quando, então, se atinge Moksha, a Libertação, que é objetivo final de toda prática verdadeiramente hindu.

agosto 2017
S T Q Q S S D
« set    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Hare Rama Krishna

Hari Om. Após o final da Dvápara Yuga, Sri Nárada Muní dirigiu-se pessoalmente ao Senhor Brahma, na ocasião do início da Kali Yuga -era das trevas - e perguntou-lhe: "óh! Bhagavan (mestre) como poderei na terra ser capaz de atravessar a Kali yuga?"
No que o Senhor Brahma lhe respondeu: "óh Sadhu, as Escrituras Sagradas mantém isso em segredo e oculto, e através do qual você vencerá o Samsára na Kali-Yuga; trata-se simplesmente do ato de reverenciar o nome do Senhor Primordial, Sri Narayana (Sri Krishna) através dos Santos Nomes.

O sábio Nárada mais uma vez perguntou: "Quais são esses nomes?, "no que Sri Brahma (Hyranyagarbha) respondeu-lhe: "Os Santos Nomes do Senhor, conforme dito nos Vedas, são:

Hare Rama Hare Rama Rama Rama Hare Hare
Hare Krishna Hare Krishna Krishna Krishna Hare Hare

Estes dezesseis nomes aniquilam os maus efeitos na Kali-Yuga, e não há meio melhores do que Eles, que possam ser vistos nos Srutis. Estes dezesseis nomes destróem a imobilidade do Jíva, rodeando-o com dezesseis raios (kalas). E tal qual a branca luz do sol dissipa as nuvens escuras, atuando como um círculo mágico protetor de todas as entidades vivas existentes, e assim desvelando o Parabrahman (o Absoluto).

Kalishantarana Upanishad

ATENÇÃO: Sobre os materiais publicados e distribuídos neste Blog

Lei Nº. 9.610, de 19 de Fevereiro de 1998 Lei sobre os Direitos Autorais Art. 46. Não constitui ofensa aos direitos autorais: III - a citação em livros, jornais, revistas ou qualquer outro meio de comunicação, de passagens de qualquer obra, para fins de estudo, crítica ou polêmica, na medida justificada para o fim a atingir,indicando-se o nome do autor e a origem da obra; Este Blog está de acordo com a Lei acima mencionada.

Ganesha Shatakam Strotam – Mantra Védico para Ganesha

Narada disse:

Inclinando a cabeça, eu saúdo o Senhor removedor dos obstáculos, filho da divina Gauri; seu coração é a morada de todos seus devotos; medito, neste momento, em você, para que possam ser removidos todos os obstáculos ora no meu caminho.

Nomes de Ganesha através dos quais ele deve ser lembrado:

1 – Aquele que tem a tromba curva;

2 – Aquele que tem um dente;

3 – Aquele cujo veículo é um rato escuro;

4 – Aquele que tem a face de elefante;

5 – Aquele que tem um grande abdome;

6 – O grande;

7 – O rei dos obstáculos;

8 – Aquele que tem a cor escura;

9 – Aquele que tem a lua na testa;

10 – O removedor dos obstáculos;

11- O Senhor dos ganas, forças de Shiva;

12 – Aquele cuja forma é de elefante.

Ó Senhor, para aquelas pessoas que recitam os doze nomes três vezes ao dia (ao nascer do sol, ao meio dia e ao pôr-do-sol) que não haja medo de obstáculos e que tudo seja realizado.

Para aquele que deseja conhecimento, o conhecimento é adquirido. Para aquele que deseja riqueza, a riqueza é conquistada. Para aquele que deseja filhos, filhos serão alcançados. Para aquele que deseja libertação, os meios para ela serão encontrados.

Os versos de Ganesha devem se recitados durante seis meses, e o fruto será alcançado. Haverá sucesso no espaço de um ano, não há dúvida quanto a isso.

E tendo sido escrito, aquele que copiar os versos e distribuir a oito brahmanas conseguirá todos os conhecimentos, com as bençãos do Senhor Ganesha.

Assim, completam-se os versos encontrados no Shri Narada Purana ao Senhor Ganesha, para a destruição dos obstáculos.