Existem muitas formas de conceituar o Yoga. Em cada livro pode-se encontrar um significado diferente, muitas vezes até contraditório entre si. Conhecemos o Yoga pela sua prática externa, as posturas exóticas, ou mesmo posturas de meditação. No entanto, Yoga é muito mais do que uma prática disciplinar, se considerar seu objetivo último. Vindo da língua sânscrita, Yoga deriva da raiz ‘yuj’, que significa literalmente integrar, unir, totalizar. Percebemos que Yoga significa tanto o objetivo último de união entre o Ser e o conhecer, quanto os métodos, o caminho para que isso se torne possível.

            Como diz Anne Besant, “Yoga é a ciência de uma psicologia perfeita, que considera o homem sob todos os seus aspectos. É a aplicação no indivíduo das leis normais que regem a evolução da consciência e dos corpos.” Visto assim, percebe-se o yoga muito mais no campo de uma psicologia evolucionista que simplesmente uma prática de exercícios físicos. Na parte de ásanas, em que se trata exclusivamente da ciência dos exercícios físicos do Yoga, podemos observar um paralelo com a psicologia bastante interessante.

            O mestre Sivananda atesta ao Yoga um sentido completamente espiritual: “(…)é um processo pelo qual a identidade da alma individual, e a Alma Suprema, é realizado pelo Yogi (praticante de Yoga); onde a alma humana introduz-se internamente em comunhão com a Realidade Divina.” E, para isso temos um caminho a seguir. Um não. Vários.

            Existem várias modalidades, escolas e estilos de Yoga, que conferem caminhos diferentes para chegarmos a este fim último. Em seu sentido genérico, Yoga refere-se às escolas de Bhakti-Yoga (Yoga devocional), Karma-Yoga (Yoga aplicado nas ações do dia a dia), Jñana-Yoga (Yoga do conhecimento), Mantra-Yoga (Yoga da prática da repetição das palavras sagradas), Kundalini Yoga (Yoga específico para despertar da energia espiritual), Hatha Yoga (Yoga da força física) e Ashtanga Yoga ou Raja Yoga (conhecido como o Yoga Clássico, base para todos os outros tipos de Yoga).

            Além dessas escolas de Yoga, temos estilos diferentes para a maioria delas. O Hatha Yoga pode ser aplicado ou ensinado de diversas formas e em diferentes graus de dificuldade ou esforço físico.

            Diante de tantas opções, tantas alternativas, por onde ir? O Yoga é uma chave que cabe em qualquer fechadura: você pode escolher qualquer um dos ramos ou modalidade em que sua personalidade se adapte melhor e ir mudando conforme sua consciência for evoluindo. O Yoga não somente te dá essa chance como oferece o caminho certo para cada um de seus praticantes. 

            E apesar da tentativa de elucidar o que é Yoga, por mais que se diga ou se tenha dito em tantos livros, parece que o Yoga não se encaixa completamente em nenhum desses conceitos. Isso acontece porque o Yoga transcende o que as palavras podem dizer, e seu significado último é pessoal e advém com a sua experiência, com a sua prática pessoal de Yoga.   

 

             E então…? Vamos praticar??