Om Gam Ganapataye Namah

Bom amigos, hoje vamos falar de Puja. Puja é um meio de adoração no Hinduísmo, uma prática bastante comum, feitas em cerimônias e também no dia a dia. A meu ver, puja também é uma espécie de tratamento – calma que eu explico: basicamente, através do puja diário, o devoto ou praticante liga-se conscientemente à divindade adorada, criando assim a conexão com este arquétipo, sentido sua atuação de forma mais eficaz em sua vida. É óbvio que, para tanto, você não pode assim “escolher” uma deidade, há toda uma pesquisa sobre a vida e o estado atual do praticante para que isso possa ser decidido de forma terapêutica. A Ayurveda aqui é uma grande aliada.

Mas você também pode fazer esse puja para alguma deidade que goste mais. Lembre-se que isso é uma espécie de liturgia, portanto siga as instruções dadas aqui. Essa prática me foi ensinada pelo Swami Krsnapriyananda, que muito embora apenas ensine os seus devotos, acredita que todos devem saber adorar as deidades, elas ficam realmente muito felizes (parece conversa de doido mas não é não, cultive sua relação com a deidade e perceba por si mesmo).

Antes de fazer o puja propriamente dito, é necessário um ritual de purificação para as mãos, denominado em sânscrito como Achamana. Este é um achamana bem simplificado, você só vai precisar de um copo e uma colher.Com a mão direita, jogue um pouco de água na mão esquerda enquanto repete o mantra :

“Om Bhur Bhuva Svaha”

Descarte a água. Repita novamente o mesmo processo na mão direita, e descarte a água. A partir de agora você vai purificar de forma mais intensa a mão direita. Repita este processo por três vezes: jogue água na mão direita repetindo o mantra

“Om Gangaya Namah”

E sorva (beba) a água as três vezes. Quando entoamos este mantra, trazemos a vibração do Ganges para esta água que estamos ingerindo. Faça o achamana principalmente se você ainda come carnes de qualquer tipo.

Para fazer o puja adequadamente, você precisará de um prato de puja, puja-plate-gross-neu-weiss1conhecido também como prato de arati. Ele não é nada fácil de achar, mas encomende em uma loja de sua confiança. Eu consegui o meu em Curitiba, na Terra Índia, encomendado pela minha colega  Mohini.

Faça as oferendas na seguinte ordem: incenso, fogo, flor, alimento (se houver) e água. Ofereça o incenso girando-o por três vezes em sentido horário recitando o mantra de saudação à Deidade escolhida. Repita o mesmo processo com todas as outras oferendas. Em relação ao fogo: é necessário fazer pequenos chumaços de algodão, puxando uma ponta para o alto, e embebe-la em ghee (manteiga clarificada). Eu faço isso uma única vez por mês e deixo em quantidade adequada para o mês todo. Economiza muito tempo. Caso você não saiba fazer o ghee (ensinaremos em uma nova oportunidade), pode ser uma vela, ou pedaços de vela, como preferir. Em relação à flor: bom, eu compro as minhas semanalmente, e ofereço uma por dia. Quando não tenho flores, vou até o jardim do meu prédio e pego uma folha, uma grama, enfim, algo da natureza. O alimento é opcional, mas eu gosto de oferecer sempre, afinal, esse alimento vira prasada, um alimento santificado por ter sido tocado pelos lábios do Senhor. Ao oferecer a água, tenha uma tacinha para a deidade e troque a água todos os dias, na hora do puja. Com a água “velha” você pode fazer o que quiser: beber (prasada), dar para as plantas, enfim. Depois de oferecer a água, molhe um pouco a deidade, jogue água nos quatro cantos cardeais, molhe alguns chakras que você sinta necessidade, jogue um pouco da água no topo da sua cabeça e agradeça a Deus, pois ele está em tudo e em todos, e na verdade, adorar uma deidade é adorar ao Deus único.

fe-002