tadasanaSignificado do nome:

Sama = igual, simétrico; sthitih = ficar firmemente ereto; “postura simétrica e estável”. (chamada assim na tradição de Krishnamacharya e seus discípulos.

Tada = montanha; Postura da Montanha. (chamada assim na tradição de)

Samasana = Postura Equânime. (chamada assim na tradição de Kuvalayananda)

Tadásana é comumente praticado como preparatório para as posturas em pé. Nesta postura buscamos a firmeza e estabilidade da montanha. Tadasana nos ensina a arte de parar corretamente e aumenta nossa consciência sobre o nosso corpo. Ao praticá-la, aprende-se a ficar em pé corretamente, distribuindo todo o peso harmoniosamente, sem colocá-lo, por exemplo, somente nos calcanhares, em uma das pernas ou nas bordas internas ou externas dos pés. Com isso, o corpo fica mais leve para que a mente seja capaz de atingir agilidade, firmeza e quietude. É a peça fundamental para outros ásanas. A prática dessa posição dá origem a um sentido de firmeza, força, estabilidade e equilíbrio. Para algumas tradições milenares, ela faz a ligação entre a terra e o céu.

TÉCNICA

De pé, com os pés paralelos e afastados um do outro na distância do quadril. Eleve os dedos dos pés do chão, pressionando os quatro cantos das solas dos pés uniformemente contra o solo. Sinta a ativação das pernas, elevando as patelas e contraindo as coxas, percebendo o os músculos abraçando os ossos. Mantendo a ativação das pernas, volte a colocar os dedos dos pés no chão. Encaixe o quadril, ative uddhyana bandha e perceba como a firmeza do baixo abdômen alivia a curvatura da lombar, através da criação de mais espaço entre as vértebras lombares, enquanto o sacro aponta para baixo. Alongue bem a coluna e relaxe os ombros, afastando-os das orelhas, criando espaço na porção superior das escápulas.  Sinta como a largura entre os ombros se expande, dando maior espaço para a expansão dos pulmões. Ative os braços, alongue e junte os dedos das mãos, apontando-os para baixo. Alinhe o pescoço com o resto da coluna, trazendo o queixo em direção ao chão, fazendo uma leve jalandhara bandha. Sinta o efeito da gravidade enraizando os pés no solo, ao mesmo tempo, sinta que uma força igual e contrária vem da terra e alonga o corpo em direção ao céu. Respire ao longo deste espaço criado através do alongamento do corpo na postura, sentindo a presença do eixo energético terra-céu.

BENEFÍCIOS:

– Corrige más posturas pelo alinhamento da coluna;

– Melhora o alinhamento do corpo e o tônus postural;

– Aumenta o espaço entre as articulações, agindo contra os efeitos degenerativos do envelhecimento da coluna, pernas e pés;

– Tonifica os músculos das coxas, nádegas, tornozelos;

– Melhora a consciência corporal;

– Cria espaço na cavidade abdominal e torácica, contribuindo para a saúde digestiva e também aumentando a capacidade pulmonar;

TRABALHO MENTAL E ENERGÉTICO

A quietude da montanha ativa o observador interno, sendo a postura ideal para trabalhar a presença interna. Através das qualidades de clareza, discernimento e sabedoria, que emanam do sexto chakra em equilíbrio, a vida passa a ser vivida a partir de um novo ponto de vista fundamentado na estabilidade, força e suavidade da montanha. Com a contração do ânus, energiza-se ainda mais eficientemente o Múládhára Chakra, conferindo estabilidade e enraizamento. Psicologicamente, a verticalidade nesta postura está vinculada com a projeção para o alto, o crescimento, a elevação, o despertar da espiritualidade. Podemos afirmar que o ser humano somente se completa como humano ao assumir sua postura ideal. Um queixo projetado para frente nesta postura pode indicar uma certa tendência da pessoa a ficar voltada somente para o mundo material, ou para o exterior. A coluna é como o subconsciente, de forma que a falta de alinhamento das costas pode indicar falta de contato com os conteúdos subconscientes.

FOCO ANATÔMICO

Coxas e quadril (contração consciente);

APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS

Ciática;

Pé chato;

Correção de postura;

CONTRA-INDICAÇÕES OU CUIDADOS

Cefaléia;

Pressão baixa;

Insônia;

Dor nas pernas, quadris, ombros;

Em casos de lordose e cifose em alto grau, trabalhar o alinhamento contra uma parede;

PROPS E ADEREÇOS

– Verifique seu alinhamento ficando em pé contra uma parede. Encoste os calcanhares, quadril, escápulas na parede. Cuide para sua cabeça não encostar na parede.

– Ative a rotação interna das coxas colocando um bloco entre as pernas; perceba se terá que aumentar mais a distância entre os dois pés.

VARIAÇÕES

– Com os braços estendidos como em crucifixo, amplia-se a capacidade respiratória ao trabalhar a inspiração simultânea ao movimento;

– Com os braços acima da cabeça, idem;

– Ao entrelaçar os dedos e alongar os braços para cima, além de ampliar a capacidade respiratória, soma-se o alongamento da coluna vertebral.
POSTURAS PREPARATÓRIAS

– Pavana Muktásana;

– Adho Mukha Svanasana

– Uttanásana

APROFUNDANDO A POSTURA

– Trabalhe seu equilíbrio em Tadásana fechando seus olhos durante a execução da postura;

– Trabalhe seu equilíbrio ficando na ponta dos pés;

– Acrescente vinyasa: de tadásana inspire e simultaneamente eleve os braços pela lateral do tronco até o alto da cabeça, mantendo as palmas das mãos uma virada para a outra, e também eleve-se na ponta dos pés. Exale e retorne a tadásana.

– Para aumentar o trabalho muscular e a ativação das pernas, coloque um bloco no meio das pernas durante a execução deste vinyasa.